MAURO BRANDÃO, mineiro de Caeté, escritor, poeta e músico, é Bacharel em Ciências Econômicas pela U

Minha foto

Sobrevoando os aeródromos das palavras, Mauro Brandão - descendente hereditário da verve literária de Guimarães Rosa (a avó paterna, Georgina Pinto Rosa era prima de primeiro grau desse grande escritor) se lança no mundo da literatura através do seu livro, o romance Claraluz e o Poeta, lançado em outubro de 2014 pela Editora Letramento. Outros projetos literários estão sendo concebidos: "Coletâneas Virtuais I", poesias; "Na Solidão do Outro", romance psicológico; "Tempestade Magnética", ficção científica; "A História do Homem e do Universo: crítica ao fundamentalismo", ensaio filosófico; "Voltei Formiga", realismo mágico; "O Descobrimento de Outro Mundo", ficção científica; "Brincando de Deus", realismo mágico; "O Ladrão das Artes", infanto-juvenil; "De Volta ao Presente: história de alguns", contos; "Os Guardiões da Luz", segundo livro da trilogia de Claraluz e o Poeta; "Olavo e o Mestre", autoajuda.

Mauro Brandão é músico, tecladista do Coral Juvenal Alves Vilela e fundador e membro da banda Nova Estação

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O Encontro de Claraluz e Mandel

Depois de 10 meses escrevendo Claraluz e o Poeta, realizei um sonho. Escrevi o capítulo 48, onde acontece o primeiro encontro entre os dois personagens principais do romance. Desde quando comecei a escrever, este momento já era previsto por mim, e por ser assim, uma louca ansiedade me tomou conta. É como estar escalando uma montanha, aonde você sabe onde quer chegar, mas que para chegar precisa escalar todo aquele cume íngreme, que te exige destreza e cuidado, pois qualquer passo em falso você pode despencar lá de cima e ver seu projeto arruinado.

Não foi assim com Claraluz e o Poeta. Todos os passos foram cuidadosamente pensados para chegar neste clímax. Este livro terá 52 capítulos. Os quatro que restam (49, 50, 51 e Epílogo) são consequência do que acontece neste cap. 48. Por isso, quero dividir especialmente este momento com três pessoas que estiveram desde o início desta odisseia de escrever 357 páginas e 149.134 palavras, de acordo com o contador do word. Estas pessoas são, Alice Okawara, Clarissa Cruz e Sara Soares Oliveira (em ordem alfabética, porque são igualmente importantes para mim, como aliás, todos vocês).

Alice, professora e artista plástica, por abraçar a causa desde a primeira postagem de um trechinho no Facebook, depois se tornando a ilustradora do livro, através de um maravilhoso projeto visual que envolve primeiramente os desenhos que ela cria a partir da leitura de cada capítulo, para depois passar para o projeto fotográfico, que a montagem dos objetos desenhados primeiramente.

Clarissa, a professora Clarissa Cruz, da UNIVAS - Universidade do Vale do Sapucaí, em Pouso Alegre, que, mesmo antes de postar os primeiros trechos, já trocava de ideias comigo sobre um romance que ainda estava nos seus primeiros capítulos, primeiro pelo Facebook, depois juntando a muitas conversas por telefone, e avançando  cada vez mais nas descobertas da psique.

Sara, querida amiga itabirana, com o privilégio de respirar os ares do grande poeta, Carlos Drummond de Andrade. Formada em Estudos Sociais, História e Geografia, Sara é aquela pessoa especial em minha vida, que se tornou uma espécie de crítica literária, ao receber os caps depois que eu termino cada um. Um bate bola pelo FB, por email e por telefone, tantas e tantas vezes (de convés cheio).

Escrevi esta nota em comemoração ao encontro de Claraluz e Mandel, da médica Clarissa Montenegro e o sociólogo Mandel Ferreira Guimarães. O encontro que será ansiosamente esperado pelos leitores que lerem este romance, sentimento que brotará desde as primeiras páginas, quando Mandel e Claraluz se conhecem ainda numa sala de bate papo, e nem os nomes um do outro eles sabiam ainda. Eu tive que esperar 10 meses pra escrever as tão sonhadas páginas para um livro que se pode ler em dois dias, conforme o interesse despertado.

E neste mês de setembro, o ponto final estará colocado em Claraluz e o Poeta. Muito trabalho vai acontecer depois deste período, mas será uma nova etapa. Com certeza, muitas modificações no texto ainda acontecerão, junto com a revisão do professor Geraldo Ganzarolli, as conversas com as editoras (algumas já iniciadas), os planos de captação de recursos e os planos de distribuição. Os planejamentos, junto com a minha querida amiga de infância, Margareth Pinheiro, quanto ao lançamento do livro em várias regiões, inclusive com perspectivas mais concretas de se lançar em Lisboa, Portugal, já numa primeira fase de lançamentos, e os avanços de divulgação junto com esta maravilhosa empresa de jovens inteligentes, obstinados e sonhadores, a 4eUm Digital Marketing (Izabela, Luana, Pedro e Vanessa) www.4eum.com.br, já imaginando com eles, inclusive, um belo audiobook, pois Claraluz e o Poeta é um livro que não economizou nas inserções de pequenos trechos de muitas músicas que nos deliciam sobre esta superfície terrestre, podendo se tornar um livro muito consumido pelas vias auditivas, como nas velhas novelas de rádio.

Tem muita gente pra citar, que acredita neste projeto e nesta obra, que será a primeira de tantas quantas Deus permitir. Mas agora deixo a homenagem a estas três queridas pessoas, e aos meus carismáticos personagens, Claraluz e Mandel, que enfim se encontraram, numa belíssima cena, digna das grandes novelas que já assistimos na TV brasileira, onde todos torcerão para que sejam muito felizes.

Um brinde ao encontro da Claraluz e o seu poeta.

Mauro Brandão